O mito das ilhas

Ilhas, muito além da geografia

“Porção de terra cercada de água por todos os lados” é a definição empírica para as ilhas. Seu significado usual, porém, vai muito além disso. Elas sempre foram sinônimo de algo isolado, muitas vezes melhor que a realidade, outras, não pior, mas diferente. A Utopia, ilha idealizada por Thomas More, esboçou a existência de um socialismo perfeito, mais tarde chamado de socialismo ‘utópico’ – termo que surgiu graças a More e denota impossibilidade. A seguir, alguns exemplos sobre os diferentes tipos de ilhas encontradas mundo à fora.

Sobre as ilhas atuais, começo lembrando da Al Jazeera (“a ilha” em árabe). Canal de notícias do Catar e primeira rede de televisão árabe independente, não controlada pelo Estado e mantida pela verba de anunciantes. Faz juz ao nome: em meio a um mar de areia e uma cultura extremamente conservadora, onde governos dificilmente permitem uma mídia mais atuante e opinativa, ela vai na contramão e sempre impressiona o mundo por sua independência editorial em coberturas polêmicas, como a guerra do Iraque, por exemplo.

Na ficção, Lost, um dos seriado de maior sucesso nos últimos tempos, narra a história de sobreviventes da queda de um avião em uma ilha misteriosa, em algum lugar do pacífico. Dizem que os personagens de Lost vivenciam um tipo de utopia social na ilha; não era exatamente a que o Sr. More imaginava, mas da pro gasto.

Em grandes cidades, como São Paulo, por exemplo, são comuns as ilhas de calor. Trata-se de um fenômeno que ocorre sobre grandes centros urbanos e consiste na presença de temperaturas maiores ou menores nas cidades que as encontradas em seus arredores; tudo isso em função dos chamados isolantes térmicos artificiais (asfaltos, concretos etc.) entre outros fatores que modificam as características naturais da região.

Na literatura, ilhas são estimados objetos de inspiração e cenário para os mais diversos tipos de contos, romances e poesias. José Saramago e Carlos Drummond de Andrade são exemplos de grandes autores que se renderam a mistificação e a amplitude de significados que só a sua imagem pode proporcionar.

Enfim, ilhas sempre foram – e continuam sendo – uma imagem genérica. Designo comum de lugares atípicos e lugares-comuns para realidades atípicas. Torna-se inteligível, portanto, o fato de Thomas More ter escolhido uma ilha para a idealização de seu projeto impossível.

E para terminar: “O mundo é grande, mas é só uma ilha. E tudo é tão calmo visto de cima” – trecho pertinente de uma música da banda (não tão pertinente) Charlie Brown Jr.

***

[Da série ‘Retrô’.  Remake de texto que postei  há alguns meses no falecido (?)  u-tópico]

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Geral

Uma resposta para “O mito das ilhas

  1. Muito interessante esse seu post… Realmente muito bom esse seu texto corelacionando o sentimento mítico sobre as ilhas sobre coisas e lugares, muito interessante mesmo. E fechasse com chave de ouro com a frase da música!! Parabéns…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s